Histórias de Noel

papai noelDia 24 de dezembro, Noel veste sua roupa vermelha, coloca cinto e botas, alimenta suas renas e se prepara para a viagem de trenó pela imaginação de inúmeras crianças. Pensa sobre sua existência num mundo de drones e redes sociais. Os drones talvez um dia o substitua na entrega de presentes embora de forma não tão poética. Como irá ser feita a comunicação pelas redes sociais de pedidos e entregas? As crianças irão se comunicar pelo whatsapp,  informando a chegada dos presentes?  Será que ainda há espaço na vida infantil para o Papai Noel em um tempo em que muitos adultos acreditam que educar é eliminar a possibilidade de sonhar? Será que da mesma manada dos brinquedos? Irão eliminá-lo do mundo infantil e farão isso também com as fadas, bruxas e duendes? Preocupado com seu desaparecimento Noel depois da maioria das entregas resolveu verificar em algumas casas se ele ainda existe na imaginação infantil.

 

Primeira parada : casa do Mateus

 

Noel observou que a casa estava no escuro, todos foram dormir esperando por ele, quem sabe? Mateus é um garoto de sete anos, agitado e divertido e tem a companhia dos primos para esperarem por mim. Que maravilha! As crianças prepararam uma bela ceia de Natal todinha para mim. Uma mesa enfeitada com flores, com leite, chocolate e biscoitinhos…hummmm… e ainda tem uma cartinha escrita pela Giulia, priminha do Mateus em nome de todas as crianças daqui. Vamos ver o que diz:

 

“ Papai Noel,

Preparamos essa ceia caso o senhor esteja com fome. Fomos todos bonzinhos e merecemos receber nossos presentes. “

 

Bela cartinha, vou respondê-la:

 

Crianças,

Obrigada pela ceia e vou deixar pra vocês os presentes que pediram.  Ah, da próxima vez, não esqueçam de deixar algo para minhas renas, pois elas ficam famintas com as entregas.

 

Espero que sejam bonzinhos no ano que vem, obedecendo às mamães e se comportando bem para ganhar o que me pedirem.

 

Ass: Papai Noel”

 

Vamos ver o que pediram, registrei aqui no meu tablet. Ei, não recebi a cartinha da Giulia, será que ela esqueceu de me escrever? Mas ela é uma boa garota e vou deixar aqui duas bonecas de presente para ela.

 

Adorei essa casa repleta de sonhos. Os adultos daqui viveram belas experiências comigo no passado e sabem dar valor a essa tradição.

 

Deixa eu me esconder aqui para ver quem será o primeiro a acordar. Não podia ser outro, aí está o Mateus. Mas, ele soube esperar os outros para juntos abrirem os presentes. Ele sabe e gosta de partilhar. E aí está essa garotinha esperta, a Giulia, lendo a cartinha que deixei com ar solene e todas as outras crianças prestando atenção. Acho que vou pedir a ajuda dela o ano que vem para escrever e ler cartinhas. Adoro a risada dessas crianças ao abrirem os presentes.

 

Ai, ai, ai… as bonecas que deixei para a Giulia não foi a que ela pediu. Ôpa, recebi uma mensagem, ah… estão me informando que o presente para Giulia está errado. Não é culpa minha, é falha do correio. Mas, não faz mal, vou deixar a bonequinha que ela pediu com o avô dela, pois a casa dele fica no meu caminho.

 

Lembro de anos atrás … os pais dessas crianças ainda eram bem pequenos.A tia deles, que hoje me faz companhia lá no céu, registrava minhas pegadas pela casa toda para os meninos, Helinho e Fernando acharem os presentes que eu havia escondido. E essa bela história vivida hoje se repete na família embalando com o mesmo carinho os sonhos das crianças.

 

Meu coração bate feliz e sou grato a todas essas crianças por me amarem e sei que um dia, quando tiverem filhos irão se lembrar de mim e contar belas histórias!

 

 

Segunda parada: casa do Bruno

 

Aqui eu tenho um sósia. É um tio das crianças que me ajuda com a distribuição de presentes, vestindo minhas roupa. Ele até que se parece comigo, um pouco mais gordo é verdade, mas é bom ver esse esforço para divertir as crianças.

 

O Papai Noel, meu sósia, entrou na casa e está tirando os presentes do saco e chamando as crianças pelo nome. O pequeno Bruno está com medo, mas aos poucos se aproxima devagarinho, a curiosidade dele venceu, que bom! Como o Bruno, os outros irmãos e primos se divertiram com a presença e brincadeiras do meu substituto. Eles se despediram dele abraçando-o e esperando encontrá-lo no próximo ano.

 

Vou cumprimentar e agradecer a esse meu sósia que me ajuda a continuar existindo no coração das crianças.

 

Lembro da vida dos pais dessas crianças, nem sempre eles recebiam presentes na noite de Natal e eram muito pequenos quando deixaram de acreditar em mim. Mas, eles conseguiram quebrar um ciclo, eliminaram a tristeza do passado, resgataram a alegria ao oferecer aos filhos o que sempre desejaram, mas não puderam ter.

 

Terceira parada: casa do Murilo

 

Aqui há duas crianças Lorena com sete anos e Murilo com onze, os dois são adoráveis e apesar de gostarem muito de mim, agora apenas vivo no coração deles.

Andrea, a mãe deles sempre me amou e possibilitou que eles vivessem muitas boas experiências comigo.

 

Esse ano não foi nada fácil para essas crianças, pois os pais se separaram e eles também mudaram de escola. Ouvi o relato do Murilo para uma tia contando que recebeu um prêmio na feira de ciências da escola com um projeto de estacionamento para carros elétricos que podem ser alimentados por células fotoelétricas e orgânicas, para preservar o meio ambiente. Estava mais animado com o projeto do que com o prêmio. Ele descobriu esse ano, a existência da antimatéria, o oposto da matéria. Matéria e antimatéria não coexistem e quando se encontram há uma explosão e a massa dos corpos é transformada em energia. Talvez, essa seja uma boa metáfora para tentar entender como as pessoas se juntam e depois se separam.

 

Como ele mesmo diz, não é um nerd, pois adora jogar bola e brincar com os amigos o que não o impede de sonhar com a física nuclear. Acreditar em mim desenvolveu sua imaginação e a forma de ver o mundo e acredito que contribui para que ele lidasse melhor com a realidade.

 

Lorena e Murilo reviveram esse ano a espera de Papai Noel. Viram o sino que era tocado no fundo da casa anunciando minha chegada. Eles saíam na varanda para esperar eu chegar, mas nunca conseguiram me ver ou as minhas renas. Mas, quando entravam em casa, os presentes estavam, misteriosamente, colocados na árvore de Natal.  Hoje Murilo calculou o tempo para que os presentes aparecessem na árvore e se surpreendeu com a agilidade de todos para que a brincadeira desse certo.

 

Espero que ao crescerem Lorena e Murilo estimulem seus filhos a acreditarem em mim. Foi possivelmente viver a fantasia ontem que possibilitou eles enfrentarem as dificuldades e obstáculos da realidade.

…………….

 

Foram tantas entregas que estou exausto, mas meu coração está alegre em saber que nesse estranho mundo ainda a minha presença pode ajudar as crianças a sonharem e os adultos a voltarem a ser crianças. Esse foi o maior presente que recebi nesse Natal.

 

92 Total de visitas 1 Visitas de hoje

Share This:

4 comments

  1. Consuelo Fernandez disse:

    O Papai Noel me trouxe de presente Joana, Juan e Lolita e transformou a véspera de Natal em uma festa impar! Obrigada Noel!!!

  2. Maria Elisa Napolitano disse:

    Estou encantada com os contos. Sei que as histórias são verídicas, pois em pelo menos duas delas participei de algum modo. A transformação dessas histórias em contos mostra um raro talento literário da autora, pela simplicidade da linguagem sem cair na banalidade. Isso garante uma comunicação imediata e prazerosa, uma fluidez deliciosa da leitura, enfim, um prazer total!
    Os comentários sobre os livros estão muito interessantes, despertando a vontade de lê-los.
    Já sou “viciada” neste blog que acesso todos os dias, mesmo que seja para reler o que já li.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *